Sejam bem-vindos

Sejam bem-vindos

Clique na imagem e assine a petição

Seguidores

Siga-nos no facebook e curta nossa página

domingo, 29 de abril de 2012



sábado, 28 de abril de 2012

Crianças que completam seis anos após o dia 31 de março devem ser impedidas de ingressar no primeiro ano do ensino fundamental, como quer o Conselho Federal de Educação ?



 







Excelente ponto de vista do articulista do Jornal “ A Folha de São Paulo”, do ProfessorHÉLIO SCHWARTSMAN, de 27/04/2012, no Caderno Opinião, A2,  sobre a polêmica que se instaurou em nosso sistema educacional e o critério de classificação para ingresso no primeiro ano do ensino fundamental. Muito sensato e coerente o ponto de vista do articulista sobre este assunto por ele abordado, de tanta importância para o nosso público.




HÉLIO SCHWARTSMAN




SÃO PAULO - Crianças que completam seis anos após o dia 31 de março devem ser impedidas de ingressar no primeiro ano do ensino fundamental, como quer o Conselho Federal de Educação? Ou a data-limite deve ser 30 de junho, como professa seu congênere paulista? Ou ainda 31 de dezembro, como acaba de determinar a Justiça Federal ? 



Ignorando a bizantina guerra de liminares e os conflitos de competência, eu diria que, se há um absurdo nessa história, é a pretensão dos conselhos de estabelecer regras rígidas que tenham validade universal.



Não estou advogando pelo vale-tudo. O processo de alfabetização, ao contrário da linguagem oral, não vem naturalmente. A escrita precisa ser ensinada e exige uma maturidade neurológica (cognitiva e motora) que só surge lá pelos seis anos de idade.


Esse recorte, é claro, resulta de uma média, e médias, como se sabe, são traiçoeiras. Basta lembrar que, na média, a humanidade tem um testículo e um seio, ainda que seja raro encontrar alguém com essas características. Analogamente, embora a média para a alfabetização seja de seis anos, muitas crianças já estão prontas aos cinco, enquanto outras só desabrocham lá pelos sete. Há ainda os disléxicos graves que só aprendem com acompanhamento especial.



O único jeito de saber em qual categoria cada aluno se encaixa é avaliando seu desenvolvimento psicomotor, o que professores estão aptos a fazer, mas não burocratas lotados em Brasília ou nas secretarias, que jamais viram o estudante em questão.



Uma explicação plausível para a insistência dos conselhos em criar normas rígidas é que não confiam nas escolas. É possível que tenham razão, mas, neste caso, todo o sistema de ensino ficaria sob suspeição.



Há situações, como a definição da maioridade penal, em que é muito difícil escapar a marcos decididos de forma arbitrária. Descobrir se uma criança está pronta para cursar o ensino fundamental não é uma delas.



0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...