Sejam bem-vindos

Sejam bem-vindos

Clique na imagem e assine a petição

Seguidores

Siga-nos no facebook e curta nossa página

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Conhecendo a criança pequena






Conhecendo a criança pequena
por Elvira Souza Lima


A criança nasce e cresce em um grupo e é através do contato com as pessoas e as coisas que existem neste grupo que ela aprenderá muito sobre si própria e sobre o que a rodeia.
A criança começa a aprender desde que nasce.
E ela vai aprender muitas coisas em seus primeiros anos de vida.
Algumas coisas aprenderá sozinha, mais c
edo ou mais tarde, como andar, por exemplo. Outras, como falar, aprenderá se for ensinada. Toda aprendizagem, todavia, será afetada pelas condições do meio em que a criança se encontra e das relações que ela estabelece com os outros seres humanos. Ela entra em relação com tudo e todos que compõem o seu meio:
-sua família, ou seja, aquelas pessoas com as quais ela vive junto a mãe, o pai, a avó, o padrasto, os irmãos, as irmãs, uma tia, um primo;
-as outras pessoas:parentes, amigos da família, vizinhos os comerciantes do bairro, o pessoal da creche ou da es
cola, do posto de saúde etc...
- Os objetos, as coisas que existem nest
e meio, tanto na sua casa como nos outros ambientes em que ela vai, como a rua, a feira, a escola, a venda, a creche, etc.
- a cultura, os valores das pessoas, as re
gras que organizam o seu meio.
Nos primeiros anos de vida a criança vai passar por uma série de mudanças: de bebezinho que depende do adulto para tudo, ela vai crescer, dominar seu corpo, sentando, engatinhando, andando, vai aprender a falar, tornando-se cada vez
mais independente e capaz de realizar muitas coisas por si só. Á medida que vai crescendo, explorando o ambiente , mantendo contato com as outras pessoas, ela vai mudando, desenvolvendo suas potencialidades e demonstrando preferências marcantes.
É importante lembrarmos aqui que cada criança tem uma ritmo de desenvolvimento e crescimento, Isto q
uer dizer que não há uma idade exata para cada coisa acontecer: uns bebês, começam a engatinhar mais cedo, outros mais tarde. O mesmo acontece com o andar e com o falar. Não existe uma regra única. mas tudo tem limite: por exemplo, se temos um bebê que, com três meses não segura sua cabecinha, ou que já tem quase dois anos e não anda, precisamos nos preocupar, é claro, e procurar encaminhar esta criança para um profissional competente.
Da mesma forma que as crianças não se desenvolvem exatamente no mesmo ritmo, também elas presentam diferenças individuais desde muito pequeninas. Podem gostar mais desta ou daquela atividade, desta ou daquela comida.
Umas gostam de dormir numa posição,
outras em outra posição;umas dormem mais e tem aquelas que, ainda bebês, não querem mais saber de dormir muito, nem depois do almoço. Por isto é importante observar para ver quais são as preferências, os interesses, o ritmo da criança e, na medida do possível respeitá-los.
Para crescer e se desenvolver bem, a criança depende de:


.... O movimento




A criança em seus primeiros anos de vida precisa muito movimentar-se. É através do movimento que ela explora seu corpo, que ela explora seu ambiente. Se ficar o tempo todo no bercinho, não terá chance de se desenvolver estes aspectos. Quando deixamos o bebê deitadinho no berço, ele fica olhando o teto, quando o recostamos em almofadas ou travesseiros, ele poderá ver as outras pessoas, crianças e adultos, e terá outras possibilidades de inserção. Poderá acompanhar o trabalho dos adultos, interagir mais com eles e com as outras crianças, sorrirá, ouvirá pessoas falando com ele, enfim, verá o mundo de uma outra perspectiva. E isto é importante para enriquecer suas experiências. Se colocarmos os bebês no chão eles poderão exercitar movimentos mais amplos, poderão provocar deslocamentos de seu corpo, aprendendo também a se reconhecer enquanto um organismo independente dos outros. O bebê poderá se dirigir, engatinhando, para outras crianças ou outras coisas que lhe interessam, poderá tocar coisas e amiguinhos. Dizemos que ele está explorando seu ambiente, conhecendo as coisas, aprendendo as características de certos objetos, experimentando.
O movimento estará sempre presente no comportamento da criança nesta fase do desenvolvimento que ela está na creche , só que, segundo cada período, ele apresentará características distintas. Ele envolve a exploração do próprio corp
o: as crianças gostam muito de experimentar o que acontece com o próprio corpo, o que é possível fazer com ele e, muito importante, até o que é este corpo: exploram as várias partes que o compõem e isto inclue, também, os órgãos genitais. O movimento está presente na relação com os objetos: dirigir-se ou distancia-se deles, alcançá-los, manipulá-los, transformá-los. Ele está presente nas relações com as outras crianças, nas brincadeiras e nos conflitos, nas relações com os adultos, conhecidos ou estranhos.

... A imitação


Há um período em que a criança pequena imita tudo o que vê, repete com seu corpo gestos, atitudes, repete a expressão do rosto de pessoas que estão por perto. Quando um pouco mais velha ela imita mesmo sem a outra pessoa estar por perto. Ela lembra e faz. Imitar é uma atividade muito importante para a criança, pois é esta atividade que permite à criança compreender que ela é um indivíduo que tem capacidade de agir por si só, que é uma pessoa distinta das outras.

... O jogo, a brincadeira

A criança brinca muito, nós todos sabemos disto.
Brincar é fundamental para a criança, pois é uma das formas principais que ela dispõem nesta fase de sua vida para aprender. Aprender o que? Aprender sobre os objetos que estão a sua volta , aprender sobre as pessoas e sobre si própria. É também através do jogo, da brincadeira, que ela vai aprender quais são as regras que regulam as relações entre as pessoas de seu grupo, o papel que cada uma desempenha. Ela vai aprender quais são as coisas que se pode e as que não se pode fazer na cultura dela.

Para entender estas regras, o que faz cada um em seu grupo, quem manda, quem obedece, como as pessoas se gostam ou entram em conflito, para entender as ausências também-ausência dos familiares, por exemplo- a criança lança mão de sua imaginação através dos jogos de faz de conta.
A criança imagina e se coloca no papel do outro, imita a mãe, imita o irmão, imita a pessoa que se ocupa dela, imita um coleguinha de turma. Fazer de conta é o grande recurso que a c
riança tem para lidar também com os objetos, as coisas que compõem o seu mundo e como as pessoas se relacionam com estes objetos físicos.
Para brincar de faz de conta a criança precisa, às vezes , somente da tolerância do adulto. Este, ao invés de propor uma atividade fechada à criança permitirá que ela se entregue ao "faz de conta" sozinha ou junto com um, dois ou mais amiguinhos.
A criança pode utilizar objetos imaginários fazendo de um sabugo uma boneca, de um pedaço de pau, um carrinho- objetos construídos com sucata, elementos da natureza(folha
s, galhos secos, pedrinhas), tocos de madeira e pedaços de outros materiais, como retalhos, papel, etc. Pode também utilizar brinquedos industrializados ou brinquedos construidos por ela própria, outras crianças ou por adultos da sua comunidade.
As crianças também brincam com objetos, ás vezes por períodos extremamente longos. montam e desmontam pilhas de objetos , colocam objetos encarreirados e vão testando o que podem fazer com isto procuram mover uma fileira de toqu
inhos, observando a trajetória, em diferentes direções, para ver o que vai acontecendo a cada uma delas. E brincam com o objeto em si: tem uma curiosidade muito grande em saber " o que tem dentro", como é feito, como funciona.
E as crianças brincam muito juntas, repetindo as brincadeiras infantis que fazem parte da cultura ou folclore locais, inventando outras, realizando jogos, atividades que certamente contribuem para sua colocação no grupo, para fazer suas am
izades e expressar afetos.

... Falar, contar, conversar


A criança quando começa a falar repete muitas vezes a mesma palavra e, mais tarde um pouco, a mesma pergunta. Ela gosta de contar caso,partindo muitas vezes de um fato rela e indo para o imaginário. Ela tem um prazer grande em repetir uma narrativa. Ás vezes pergunta, o outro responde, mas ela torna a perguntar a mesma coisa outra e outra vez. Estas coisas todas são parte do processo para desenvolver a linguagem.
Conversar com a criança é importante, desde bebê, pois é na interação com os outros seres humanos que a criança desenvolverá a linguagem.
Muitas vezes a criança se entrega a b
rincadeiras com outras crianças que são um verdadeiro exercício de linguagem: elas desenvolvem a linguagem brincando com as palavras, os sons, lidando com significados, procurando modificá-los em relação a cada palavra assim por diante.



... Até ficar quieta, parada

Este é um aspecto que na nossa cultura, não valorizamos. Até, pelo contrário, achamos que quando uma criança fica quieta, parada, algo está errado com ela. Não é bem assim, Há momentos em que a criança precisa, realmente ficar sozinha, brincando, pensando, imaginando. Em outros ela fica observando, olhando atentamente para alguma cena, pessoa ou objeto em um esforço para entender o que se passa, apreender a situação.
Neste processo de desenvolvimento na infância ocorre, naturalmente, uma participação muito grande do adu
lto.Nós nos referimos a esta participação como a educação que o adulto dá à criança.

Se você quizer ler o final deste livro compre o livro conhecendo a criança pequena de Elvira Souza Lima



coleção criança pequena por Elvira Souza Lima

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...